terça-feira, 29 de setembro de 2015

Coisas sobre Gestação, Parto e Amamentação que Toda Mulher Merece Saber

COISAS SOBRE GESTAÇÃO, PARTO E AMAMENTAÇÃO QUE TODA MULHER MERECE SABER:

1) A mulher e sua fisiologia natural precisa ser respeitada durante todo o processo de trabalho de parto, parto e pós-parto. A mulher é a protagonista do próprio parto. Todo o procedimento realizado no CORPO DA MULHER precisa ser informado e autorizado por ELA. Isso é humanização do parto. O contrário disso é violência obstétrica.
Foto: Arquivo pessoal de Luciana Marcolino
2) É importante que a mulher, o companheiro e/ou acompanhante se informem pra entender exatamente os riscos de cada procedimento e negá-los ou aceitá-los, porque .... infelizmente a grande maioria dos médicos (com raras exceções) escolhe o que é mais prático e seguro pra eles (medo de processo) e não o que é mais seguro pra nós.
3) Muitos profissionais se negam a aceitar o protagonismo da mulher sobre o próprio corpo.Nesse caso a mulher pode SIM solicitar um termo de responsabilidade que isente o profissional da responsabilidade.
4) A cesariana desnecessária coloca a vida da mulher em risco, assim como a do bebê. Aumenta o risco de mortalidade materna em até 5 vezes e de mortalidade neonatal em mais de 2,5 vezes. A probabilidade de que o bebê desenvolva problemas respiratórios é aumentada em 120 vezes. A cesárea não é 100% segura e não é 100% indolor. A anestesia pode trazer desconforto e vômitos, o contato com o bebê fica prejudicado, o leite demora a descer, a mulher pode passar meses com dor na coluna (em função da anestesia) e pode sentir dores fortes na cicatriz da cesárea.
Foto: Google
5) O afrouxamento do assoalho pélvico acontece em função do peso na gestação e independe da via de parto (vaginal ou cesárea). Exercícios como o pompoarismo podem ajudar a fortalecer a musculatura pélvica.
6) Monitorar os BCFs (Batimentos Cardíacos Fetais) no pré-natal e durante o trabalho de parto é importante (no trabalho de parto em tempo aproximado de 30 em 30 minutos), mas durante o trabalho de parto os BCFs podem ser monitorados na posição que ela estiver se sentindo confortável (não precisa deitar pra fazer o monitoramento).
Foto: Rhuanny Peixoto
7) Trabalho de parto é quando a mulher tem contrações ritmadas (geralmente doloridas) de 5 em 5 minutos (e vai diminuindo... de 4 em 4, de 3 em 3) e com duração aproximada de 30 segundos (esse é o momento de ir pro hospital ou de chamar a parteira).
8) O tampão pode sair semanas ou dias antes do trabalho de parto, ou pode sair na hora do parto (sem que a mulher veja). Geralmente quando o tampão sai muito antes do trabalho de parto o corpo reconstitui o tampão (que pode ser visto novamente, ou não).
Foto: Google
9) Toques são desnecessários, especialmente no pré-natal, e podem veicular infecções. Colo fino quer dizer que o parto esta próximo; colo grosso, pode demorar... mas serve para amedrontar a mulher que não sabe disso. Alguns obstetras também fazem descolamento de membranas (uma forma de induzir o parto) durante o toque, muitas vezes sem informar a gestante e sem informar sobre opções e riscos... por isso o toque *não é inofensivo*. Toques DURANTE o trabalho de parto só devem ser feitos se **a mulher** tiver interesse em saber como anda a dilatação.
10) As contrações podem ser indolores ou doloridas e podem ser sentidas pela mulher quando a barriga endurece e depois relaxa novamente.
11) As contrações de Braxton Hicks são as contrações de treinamento, indolores, que começam muito antes do bebê nascer, às vezes meses antes...
12) Algumas contrações com dor podem ocorrer também, esporadicamente, mas é importante que não sejam confundidas com infecção urinária. Infecção urinária merece atenção, não é algo pra deixar pra lá.
13) Na hora do parto não existe contração "boa" ou "ruim". Existe a contração fisiológica, que vem da particularidade de cada mulher.
14) A parte mais dolorida NÃO É a do expulsivo (quando o bebê está saindo), mas SIM o trabalho de parto... quando a mulher chega aos 7 a 8 cm de dilatação ela quer alívio da dor, é nessa hora que ela precisa de um abraço (hora da covardia), de palavras de apoio, de estímulo, de amor e respeito. Uma doula ajuda muito e esse é o trabalho dela. É importante receber a dor, aceitar e agradecer... Nessa hora é bom lembrar que quanto mais dói mais próximo está de acabar e ver a carinha do bebê.

Fotos: Rhuanny Peixoto
15) A dor do parto pode ser aliviada com água quente, massagens, posições que o corpo assume, respiração, vocalização, presença de uma pessoa de confiança, ambiente conhecido e uma boa doula.
16) A ultrassom é um artifício muito usado por obstetras pra indicar cesarianas desnecessárias. Circular de cordão NO PESCOÇO, na perna, no tórax... 1, 2, 3 ou mais circulares NÃO SÃO indicação de cesariana, porque o bebê RESPIRA PELO CORDÃO... se os BCFs estão ok, o bebê está ok. Placenta grau I, II ou III só indica a proximidade do parto... placenta grau III, muitas vezes chamada de "placenta envelhecida" só quer dizer que o parto está próximo.
Foto: Rhuanny Peixoto
17) A bolsa pode ou não estourar, alguns bebês nascem empelicados (dentro da bolsa íntegra). Porisso não é preciso que o médico estoure a bolsa. A mulher pode negar que o médico estoure a bolsa, sabendo que além de ser desnecessário, aumenta o risco de infecção e pode causar prolapso de cordão (quando o cordão sai antes do bebê. Nesse caso, a cabeça do bebê pode comprimir o cordão por tempo suficiente pra causar sofrimento fetal, por impedir o fluxo sanguíneo).
18) Se a bolsa estourar naturalmente e a mulher não sentir contrações, pode esperar o trabalho de parto. Bolsa rota NÃO É indicação de cesárea. Nesse caso o que deve ser feito é observar a temperatura da mulher, porque se houver febre, é sinal de infecção, nesse caso ministra-se ATB (antibiótico) e aguarda o trabalho de parto e parto. Casos de bolsa rota de 30 - 40 horas são frequentes, mas há casos com mais de 100 horas de bolsa rota.
19) Às vezes a bolsa estoura com mecônio (que é o cocô do bebê), mas mecônio pode (ou não) indicar sofrimento fetal, por isso o que importa é se os BCFs (Batimentos Cardíacos Fetais) do bebê estão ok. É comum os bebês fazerem cocô quando o sistema digestório está desenvolvido, mas bebês em sofrimento fetal contraem os músculos abdominais e fazem cocô. Então quando há mecônio o BCF apontará se é sofrimento fetal ou não. Quando a mulher recebe anestesia os BCFs do bebê podem cair e ele pode liberar mecônio. O risco de aspirar mecônio na barriga aumenta. Da mesma forma, a aplicação de ocitocina sintética aumenta o risco de o bebê entrar em sofrimento e aspirar mecônio.
Foto: Arquivo pessoal de Anne Pires

20) Muitas cidades do Brasil tem equipes que atendem partos domiciliares. O parto domiciliar é seguro pra gestantes de baixo risco (há vários estudos atuais que mostram isso).

21) O bebê pode perfeitamente nascer na água e não afogam, porque estão respirando pelo cordão... e só param de respirar pelo cordão quando é cortado.
Foto: Kalu Brum
22) São gestantes de alto risco aquelas que tem pressão alta e diabetes, por exemplo.. e que precisam ter um acompanhamento maior.

23) Existe uma lista com mais de 130 falsas indicações de cesariana, enumerada pela obstetra Melania Amorim, professora da Universidade Federal da Paraíba (link aqui: http://estudamelania.blogspot.com.br/2012/08/indicacoes-reais-e-ficticias-de.html)
24) Intervenções no parto acrescentam risco ao parto (litotomia, kristeller, ocitocina sintética, anestesia), por isso SÓ DEVEM SER REALIZADAS EM HOSPITAL. (Aliás... algumas, como kristeller, não deveria ser realizada, é condenada pela OMS! E a litotomia, só se for por vontade da mulher).
25) A ocitocina sintética pode ser usada em casa somente APÓS o parto, para conter hemorragia PÓS parto e NUNCA para acelerar ou induzir o parto
26) Toda mulher dilata, só não dilata se o médico não esperar.
27) A desproporção céfalo-pélvica (DCP) existe, mas só é diagnosticada em trabalho de parto E com dilatação total...
28) A data provável de parto (DPP) serve pra ter uma ideia de quando o bebê pode nascer. Bebês podem nascer até 42 semanas de gestação... contando com o erro do ultrassom (de 2 semanas pra mais ou pra menos), significa que o bebê pode nascer até 44s.... e sempre nascem (se não fizer cesárea antes). Bebês de gestação prolongada precisam ser monitorados com maior frequência.
29) A indução do parto com sorinho (ocitocina sintética) é feita rotineiramente na maioria dos hospitais brasileiros. Aumenta a dor do parto e aumenta o risco de sofrimento fetal (isso está escrito na bula da ocitocina). A indução nem sempre dá certo, se o colo não estiver "preparado" (naturalmente ou pelo misoprostol - outro medicamento indutor) aumenta a chance de indução fracassada e cesárea.


Foto: Google
30) Pressão alta não é indicação para cesárea e esse é um caso onde a indução pode ser bem indicada.
31) Cesárea anterior (1, 2, 3....) não é indicação de outra cesárea. A mulher que teve uma ou mais cesáreas pode SIM ter parto normal! Muitos médicos falam do risco de rutura uterina e de fato ele é maior após uma ou mais cesáreas, porém ainda assim o risco é baixíssimo (perto de 0.2%) e não justifica o risco da cesariana. Porém, nesse caso preciso ter cuidado extra, pois a mulher com cesárea anterior NÃO PODE induzir o parto por aumentar significativamente o risco de rutura uterina.
32) A pior posição pra parir é deitada! Parir deitada aumenta muito a dor e também o risco de laceração de períneo, em 30%. Aumenta o risco de sofrimento fetal por compressão da artéria umbilical.

Foto: Google
33) A mulher vai fazer força pra parir naturalmente, na hora certa. Não precisa obedecer o médico que quer que a mulher faça força na hora que ELE quer... isso se chama puxo dirigido e aumenta o risco de laceração de períneo.
34) O kristeller, procedimento que consiste em empurrar o bebê na barriga da mulher, é condenado pela Organização Mundial de Saúde por ser perigoso! Pode causar lacerações de órgãos internos na mulher, hemorragias, fraturas e dano cerebral no bebê e até morte... e aumenta muito o risco de laceração de períneo.
Foto: Google
35) a episiotomia (corte no períneo) é feita com a justificativa de "evitar a laceração" ou ampliar o canal de parto, mas não é necessária e já é a própria laceração. Lacerações naturais cicatrizam com maior facilidade e podem nem mesmo acontecer... especialmente se a mulher parir em posição vertical, SEM puxo dirigido ou kristeller.
Foto: Google
36) A maioria dos bebês nasce cefálica (a cabecinha sai primeiro), mas bebês podem nascer pélvicos, com um profissional que faça uma boa assistência de pélvicos;
37) Se a mulher não quiser um parto pélvico pode tentar o reposicionamento do bebê na barriga da mãe, através da VCE (Versão Cefálica Externa, que só pode ser feita no hospital) ou de exercícios para favorecer a versão natural.
Foto: Google
38) É importante lembrar que, enquanto o bebê está na barriga ele pode virar.
39) O mesmo vale pra bebês que não estão encaixados. Eles podem perfeitamente encaixar momentos antes de nascer, como os relatados pela Milena Caramori.
40) Depois do nascimento tem a placenta. A placenta nasce também. Temos o relato da Liliane Pinheiro que a placenta nasceu 9 horas depois de Tannat (link aqui: https://www.facebook.com/notes/roda-gestante/relato-da-placenta-que-nasceu-9-horas-ap%C3%B3s-o-parto-por-liliane-pinheiro/1047928348569559).

41) Tem mulher que come a placenta, que bate com açaí, que encapsula ou enterra no quintal. É um direito que ela tem, fazer o que quiser com o órgão que nutriu seu bebê.

42) O bebê que acaba de nascer É DA MULHER, DOS PAIS, não é objeto do hospital e, portanto, todo o procedimento realizado com o bebê precisa ser informado e AUTORIZADO pelos pais. Caso os profissionais se neguem a respeitar a autoridade dos responsáveis os mesmos podem solicitar e assinar um termo de responsabilidade, isentando os responsáveis de quaisquer danos que possam vir a acontecer (obviamente os pais escolhem aquilo que é menos ariscado e danoso aos filhos... concorde o médico ou não).
43) Normalmente o cordão umbilical é cortado logo que o bebê nasce e o sangue da placenta é jogado no lixo. Mas o ideal é que só seja cortado APÓS parar de pulsar... pois enquanto o cordão esta pulsando há sangue da placenta indo pro bebê. Ese sangue é importante pra prevenir anemia e outras doenças. O meu aqui pulsou por 1 hora e 15 min, no hospital eles cortam entre 1 e 3 min... claro que há casos específicos que o corte deve ser imediato, como quando a mãe é portadora de HIV.
Foto: Rhuanny Peixoto
44) O bebê nasce branquinho de vérnix que serve pra proteger a pele do bebê de infecções e da perda de calor, porisso não deve-se dar banho no bebê logo que ele nasce, mas sim APÓS 24h. Todo o vérnix é absorvido pelo corpo do bebê.
Foto: Rhuanny Peixoto

Foto: Arquivo pessoal de Dira
45) A mulher pode comer o que quiser e beber água durante o trabalho de parto.
46) Não importa o tempo de gestação, o tempo de trabalho de parto, o tempo de bolsa rota, o tempo de expulsivo... o que importa de fato é a vitalidade fetal (BCFs) e a vitalidade da mulher (pressão, temperatura).
47) A mulher tem direito de ter um acompanhante durante o trabalho de parto, é lei federal! E a lei do hospital não pode ser superior à lei federal!!!
Foto: Google
48) A doula é reconhecidamente importante pra boa evolução do trabalho de parto, mas nem sempre permitem que ela entre no hospital com a mulher.... muitas vezes pedem pra mulher escolher o marido ou a doula.
Foto: Rhuanny Peixoto
49) Parto é sexo. Os mesmos hormônios liberados no sexo são liberados no parto. Estresse faz com que a mulher libere adrenalina, que inibe a ocitocina e atrapalha o bom desenrolar do trabalho de parto. Por isso a mulher precisa de privacidade e liberdade pra gemer, gritar, chorar, assumir posições que deseja. Por isso a mulher precisa parir no ambiente que se sente mais segura e à vontade. Por isso a mulher PRECISA ser respeitada. Mulheres que conseguem parir em ambiente hostil são guerreiras vitoriosas!
Foto: Arquivo pessoal de Luciana Marcolino
50) O sêmem contem protaglandina, que ajuda a afinar o colo do útero... porisso pode sim ajudar a desencadear o trabalho de parto... além que sexo estimula a produção de ocitocina.

51) Assim que o bebê nasce, deve ir diretamente pro seio da mãe, trocar olhares, esse contato pele a pele é importantíssimo pra estabelecer vínculos, o chamado "imprinting" inicial.
Foto: 5 do 12 by Vanessa Cavalcanti
52) A rotina geral em todos os hospitais é levar o bebê logo que nascer pra realização de procedimentos dolorosos, desnecessários e até arriscados, como aplicação de colírio de nitrato de prata (que só serve pra mãe que tem gonorréia ativa no momento do parto normal)... o nitrato de prata pode causar conjutivite química e até cegueira (vide bula); aspiração nasal e oral, sondagem anal e gástrica (fere a mucosa e não é necessária!), banho com retirada de vérnix (como já foi falado anteriormente, o vérnix é absorvido pelo corpo e protege contra infecções e perda de calor); levam o bebê pra ser aquecido em incubadora (depois de retirar o vérnix... e a melhor incubadora pra aquecer o bebê é o colo da mãe);
53) Quando o bebê é afastado da mãe geralmente dão leite artificial pro bebê se acalmar e dormir (quando deveria mamar no seio materno), isso dificulta a pega e o estabelecimento do aleitamento materno.
54) Geralmente o bebê perde peso após o nascimento, mas quando há dificuldade no aleitamento materno o bebê perde mais.... então costumam dar MAIS leite artificial e soro glicosado ao bebê. Dificultando ainda mais o estabelecimento do aleitamento materno.
55) Bico de peito rachado é ocasionado por má pega. É importante procurar ajuda profissional no banco de leite, pra ajustar a pega e parar de machucar.
56) Peito empedrado pode causar mastite, muitas vezes é causada porque o bebê não está mamando o suficiente ou em livre demanda. Não marcar hora por bebê mamar é importante, assim ele fica alimentado e evita esses problemas.
57) O colostro é o aquele leite ralinho que o bebê vai mamar logo que nasce. É um leite ralinho, mas riquíssimo nutricionalmente e também em anticorpos.
58) A mãe produz o leite suficiente pro seu filho, completo nutricionalmente e com água suficiente pra saciar a sede do bebê. Até os 6 meses a mãe deve amamentar exclusivamente (isso significa alimentar o seu filhos somente com leite materno, sem chá, suco ou outros líquidos, sem leite artificial e SEM ÁGUA).
59) Chupetas e mamadeiras comprometem a amamentação em curto ou em longo prazo. A produção do leite materno depende da sucção do bebê. Há fases em que o bebê chupeta por mais tempo (chamados picos de crescimento) exatamente pra estimular a produção de leite materno. Logo após essas fases o bebê volta a mamar por menos tempo até o próximo pico de crescimento.

60) Muitas mães fazem cama compartilhada (CC) com os filhos.

61) Muitas mães praticam a criação com apego.

62) Mulheres grávidas podem amamentar. As contrações geradas pela amamentação não são abortivas (somente em casos muito específicos).
Foto: Arquivo Pessoal de Milena Caramori

63) A mãe pode amamentar o filho mais velho e o recém nascido sem prejuízo de colostro. Porque o colostro é produzido por tempo, não por quantidade. Com 2 bebês mamando o que vai acontecer é aumentar a produção pra alimentar os dois.
Foto: Arquivo pessoal de Milena Caramori

64) Ser curiosa e se informar é sempre bom.. informação nunca é demais. 
65) Essa lista estará sempre sendo atualizada, e você pode ajudar escrevendo pra gente!

Obrigada!

Milena Caramori

Nenhum comentário:

Postar um comentário